Tags


Na Minha Mesa de Cabeceira#6 | Just Mercy (Thando Malambo Amankwah)

18th July 2018

click for English click for Croatian click for Italian click for Portuguese click for Romanian click for Spanish

Na Minha Mesa de Cabeceira é uma série sobre livros que quer garantir que os melhores livros são lidos vezes sem conta. Sabe mais sobre esta série aqui.


Just Mercy : A Story of Justice and Redemption [Apenas Misericórdia: Uma História de Justiça e Redenção], Bryan Stevenson (2014)

Bryan Stevenson é um advogado excepcional e um campeão destemido para os pobres, os quebrantados, os injustamente condenados. Em Just Mercy, ele escreve desde as linhas da frente, carregando o coração e a alma, enquanto guia os leitores pela fealdade do sistema de justiça criminal dos Estados Unidos. O livro é cru, abrasador e profundamente corajoso. Eu já o li várias vezes e desafia sempre tanto a minha compreensão, como o compromisso para com a minha noção de justiça como jovem adulta Adventista do Sétimo Dia.

Talvez o aspecto mais marcante do livro sejam os relatos que Bryan faz das histórias dos seus clientes. Crianças como o Charlie de 14 anos, que foi profundamente traumatizado por viver durante anos com um pai abusivo. Charlie foi condenado por um crime trágico e enviado para uma prisão de adultos onde foi abusado sexualmente e violado por homens prisioneiros mais velhos. Quando se conheceram pela primeira vez depois de Bryan assumir o caso de Charlie, este sentou-se em silêncio atordoado por um longo, longo tempo. Finalmente rompeu em prantos nos braços de Bryan, a soluçar fortemente enquanto tentava encontrar as palavras para descrever o abuso que tinha sofrido na prisão. Uma criança quebrantada, e quebrantada ainda mais por um sistema de justiça que falhou em protegê-lo.

No entanto, juntamente com relatos de injustiça, há poderosas histórias de misericórdia ao longo do livro. Histórias sobre famílias como os Jennings, que adotaram o Charlie como seu, ajudaram-no a obter seu diploma de equivalência geral enquanto esteve detido, financiaram a sua educação universitária e tornaram-se na sua segunda família. Histórias sobre homens e mulheres inocentes libertos do corredor da morte devido à defesa de Bryan, histórias sobre esperança perdida e esperança recuperada. Cada uma dessas histórias é um apelo para reconhecer que não nos tornamos mais humanos ao desumanizar os outros; que a maneira como tratamos os pobres e os condenados fala muito sobre quem somos.

No dia em que deixamos de preocupar-nos com o sofrimento da humanidade, perdemos a nossa própria humanidade.

Qual é a injustiça que te move? Pode ser a situação das crianças refugiadas de Rohingya, separadas das suas famílias na crise humanitária de mais rápido crescimento no mundo de hoje. Pode ser a situação dos migrantes e dos refugiados vendidos como escravos na Líbia ou das cerca de 830 mulheres, que morrem todos os dias em todo o mundo devido a complicações na gravidez e no parto. A injustiça que te move pode estar também perto do lar: dentro da tua comunidade, da tua escola, do teu local de trabalho, da tua igreja.

Ver o Brian a trabalhar em Just Mercy irá desafiar-te a descobrir aquilo que te faz preocupar, arregaçar as mangas e dar tudo o que podes.

Dito isto, a justiça social não é um fim por si só. A única solução duradoura para a injustiça é o trabalho do evangelho em mudar o coração humano, e a segunda vinda de Jesus para pôr fim a todo o mal. No entanto, enquanto vivemos deste lado do céu, temos trabalho a fazer. Somos chamados a pregar o evangelho, tanto em palavras quanto em obras, para ser a boca, as mãos e os pés de Jesus: "Porventura não é este o jejum que escolhi, que soltes as ligaduras da impiedade, que desfaças as ataduras do jugo e que deixes livres os oprimidos, e despedaces todo o jugo? Porventura não é também que repartas o teu pão com o faminto, e recolhas em casa os pobres abandonados; e, quando vires o nu, o cubras..." Isaías 58:6-7

Viver uma vida de “Apenas Misericórdia” é, simplesmente, seguir os passos de Jesus.

“O meu trabalho com os pobres e encarcerados persuadiu-me de que o oposto de pobreza não é riqueza; o oposto de pobreza é justiça. Finalmente, comecei a crer que a verdadeira medida do nosso compromisso com a justiça, o caráter da nossa sociedade... não pode ser medido pela forma como tratamos os ricos, os poderosos, os privilegiados e os respeitados entre nós. A verdadeira medida do nosso caráter é como tratamos os pobres, os desfavorecidos, os acusados, os encarcerados e os condenados.” Just Mercy p. 18


Thando trabalha no programa de saúde materno-infantil no Centro Canadense Internacional de Pesquisa para o Desenvolvimento (IDRC). Ela tem tido o privilégio de servir no ministério jovem e no campus em diferentes áreas nos últimos dez anos. É uma leitora ávida e acredita no poder dos livros para expandir e enriquecer a mente e a alma.