Tags


Chamados a Levar as Cargas

17th January 2018

click for English click for Croatianclick for Italian click for Portuguese click for Romanian click for Russian click for Spanish

Esta publicação é a oitava da série 'Ciladas do Cristianismo'. É um lembrete oportuno sobre a importância de ajudar a suportar os fardos dos que nos rodeiam! —Editor

A ansiedade no coração deixa o homem abatido, mas uma boa palavra o alegra. (Provérbios 12:25)

Há muita alma valorosa terrivelmente assaltada por tentações, prestes a desfalecer no conflito com o próprio eu e os poderes do mal. Não desalenteis essa alma em sua penosa luta. (CC, 120)

Deus quer que nos encorajemos uns aos outros. Devemos edificar-nos uns aos outros e não derrubar-nos. Em Hebreus 10:24-25, a Bíblia diz: "E consideremo-nos uns aos outros, para nos estimularmos ao amor e às boas obras… admoestando-nos uns aos outros; e tanto mais, quanto vedes que se vai aproximando aquele dia."

Suponhamos que um aluno tem muito pouco dinheiro. Então o diabo apresenta-lhe a auto-piedade, a fim de lamentar-se de sua condição. Ele pode tornar-se invejoso do outros possuem. Ou outro exemplo, uma jovem que não consegue encontrar emprego. No seu caso, o diabo tenta-a a aceitar uma imagem errada sobre si mesma, tentando-a a pensar que ela não é valorizada ou apreciada, a menos que possa encontrar uma ocupação. Este é um ataque do nosso inimigo (veja 1 Pedro 5:8).

Faz parte de sua estratégia usar as nossas carências. Como afirma Ellen White, há uma cilada em que caímos. Quando alguém luta e nós desencorajamos esse indivíduo, falhamos uma característica crucial. Empatia. Essa é a capacidade de entender e partilhar os sentimentos do outro. É um talento que devemos melhorar. Ellen White declara,
"Em vossa associação com outros, colocai-vos em seu lugar. Penetrai-lhes nos sentimentos, nas dificuldades, nas decepções, nas alegrias e tristezas. Identificai-vos com eles, e depois, fazei-lhes como se, se trocassem os lugares, desejaríeis que eles procedessem para convosco.” (MDC, 134)

Nós não temos esta qualidade enfática naturalmente. Estamos focados em nós mesmos em vez de nos interessarmos pelo bem-estar dos outros.

Consideremos o exemplo de Jesus. Ele previu a nossa luta com o pecado. Misericordiosamente ele identificou-se connosco e juntou-se a nós para nos ajudar a combater os poderes das trevas. Quando prestamos atenção ao seu comportamento em relação a nós, percebemos a nossa rude conduta uns com os outros. Somos duros e críticos porque não percebemos a dor e a carga que temos de suportar.
Imagina a tristeza na casa de Jó. Ele e sua esposa perderam tudo o que lhes era querido. As notícias chocantes sobre perda, morte e ruína ainda pairavam no ar. Subitamente, Jó fica muito doente. Ele pega num pedaço de cerâmica partido com a qual se raspa enquanto se senta nas cinzas. O que está ele a pensar? Como poderá este homem sentir-se? Eu imagino-o estando quebrantado e oprimido. Lágrimas silenciosas escorrem no seu coração. Ele está cansado. E seu corpo dói. O que desejarias que alguém te fizesse ou dissesse se tu estivesses no lugar dele? A sua batalha é cruel. Jó está a lutar contra os propósitos de Satanás. Ele precisa desesperadamente de apoio espiritual e encorajamento. Agora, ouve a sua esposa: "Ainda reténs a tua sinceridade? Amaldiçoa a Deus e morre.” (Jó 2:9). Ela torna-se no instrumento de Satanás, porque ela falhou em fortalecer o seu marido. As palavras dela tentam-no a desistir. É isso que o inimigo quer.

Há outro exemplo de um grande profeta. Ele estava em apuros. Depois de matar os inimigos de Deus, a sua própria morte foi decretada. Ele corre pela sua vida. Elias está exausto, cansado e com medo (vê I Reis 17:3). O que deseja ele? Ele deseja morrer! Mas a resposta de Deus é muito preciosa. Ele envia o seu anjo para fortalecê-lo. Primeiro, toca-lhe. Foi um toque gentil, alcançando a alma de Elias. Então insiste para que coma algo, mostrando-lhe que se preocupa com as suas necessidades físicas. Isto maravilha-me, Deus é tão atencioso e cuidadoso com os fracos, ansiosos e deprimidos. Isto é amor genuíno.

Aqui está uma lição prática relacionada com estes exemplos.

"Os que estão pelejando o combate da vida em grande desvantagem de condições podem ser fortalecidos e animados por pequeninas atenções que não custam senão um amorável esforço. Para esses, o caloroso e ajudador aperto de mão dado por verdadeiro amigo vale mais que prata ou ouro. As palavras de bondade são recebidas com tanto agrado como o sorriso dos anjos." (CBV, 158)

Agora, gostaria de abordar todas as pessoas que estão a lutar neste momento. A Escritura diz, "O espírito do homem susterá a sua enfermidade, mas ao espírito abatido, quem o suportará?" (Provérbios 18:14).

"Há, nas páginas da memória, tristes histórias que são cuidadosamente guardadas de olhares curiosos." (CBV, 158)

Eu não sei pelo que estás a passar neste momento. No entanto, houve um período sombrio em que o meu espírito foi quebrantado. Felizmente, Deus enviou um cristão que trouxe palavras de fé e coragem à minha vida. Ela ajudou-me a permanecer no caminho, ou melhor, a erguer-me novamente (Provérbios 24:16).

É por isso que o companheirismo cristão é tão importante, ele fortalece-nos.

Rodeia-te de pessoas que creem em Deus. Quando sentires que és um completo fracasso, precisas de uma manifestação poderosa da fidelidade de Deus. Expõe-te à Sua Palavra e vê quem és aos Seus olhos. Deus ama-te. Não estás sozinho nesta dificuldade. Reflete sobre Jesus pendurado na cruz. Ele quer que acredites nas Suas palavras,

Eu não me esquecerei de ti. Eis que nas palmas das minhas mãos eu te gravei; os teus muros estão continuamente diante de mim. Não te deixarei, nem te desampararei. (Isaías 49:15-16, Hebreus 13:5)

Creio que Deus tem que purificar os nossos lábios (Isaías 6:6-7). Frequentemente temos falhado em encorajar-nos uns aos outros. Paulo disse, "Levai as cargas uns dos outros, e assim cumprireis a lei de Cristo." (Gálatas 6:2). "Cada um considere os outros superiores a si mesmo. Não atente cada um para o que é propriamente seu, mas cada qual também para o que é dos outros." (Filipenses 2:3-4)

Concluo fazendo-te estas três perguntas:

Queres abandonar hábitos que ferem as outras pessoas?

Irás trocar as palavras inapropriadas pela graça de Deus?

Gostarias de seguir o exemplo de Jesus ao lidares com pessoas oprimidas ou deprimidas?

Ele ensinará tanto eu como tu a amar os outros verdadeiramente. E pela Sua graça seremos transformados à imagem amável de Jesus Cristo.

Escrito por Shaina Strimbu